Archive for the ‘WWF’ Category

ONGs lançam iniciativa inédita pelo fim do desmatamento na Amazônia

quarta-feira, 03 - outubro - 2007

Nove organizações não-governamentais lançam nesta quarta (3 de outubro de 2007), em Brasília (DF), o Pacto Nacional pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia. A proposta, inédita, é estabelecer um amplo compromisso entre diversos setores do governo e da sociedade brasileira que permita adotar ações urgentes para garantir a conservação da floresta Amazônica. A iniciativa ressalta o papel fundamental da Amazônia na manutenção do equilíbrio climático, conservação da biodiversidade e preservação do modo de vida de milhões de pessoas que dependem da floresta para sobreviver.O Pacto pressupõe o estabelecimento de um regime de metas anuais de redução progressiva da taxa de desmatamento da Amazônia, que seria zerada em 2015. Para isso, as ONGs estimam serem necessários investimentos da ordem de R$ 1 bilhão por ano, vindos de fontes nacionais e internacionais. A proposta prevê a criação de um fundo para gerir os recursos, que se destinaria a compensar financeiramente aqueles que promoverem a redução efetiva do desmatamento e também ao pagamento de serviços ambientais prestados pela floresta.

Segundo as ONGs, os incentivos econômicos seriam voltados para o fortalecimento da governança florestal (monitoramento, controle e fiscalização; promoção do licenciamento rural e ambiental para propriedades rurais; criação e implementação das unidades de conservação e terras indígenas), para otimizar o uso de áreas já desmatadas e compensar financeiramente os atores sociais responsáveis pela manutenção das florestas (povos indígenas, comunidades locais, populações tradicionais, agricultores familiares e produtores rurais).

Até 2006, cerca de 17% da floresta Amazônica já haviam sido destruídos. Além de provocar o empobrecimento acelerado da biodiversidade, com impactos diretos no modo de vida de milhões de pessoas que dependem da floresta para sobreviver, o desmatamento é também uma importante fonte de emissão de gases do efeito estufa, que contribui para acelerar o aquecimento global. Os desmatamentos e queimadas, principalmente na Amazônia, tornam o Brasil o 4o maior poluidor mundial do clima.

Fonte: WWF-Brasil

——————–

Queimadas atingem níveis alarmantes na floresta amazônica

terça-feira, 18 - setembro - 2007

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão federal que monitora por satélite os focos de calor no país, apontam que o número de queimadas* na Amazônia Legal brasileira, entre janeiro e agosto deste ano, aumentou cerca de 96% em comparação com o mesmo período de 2006. Nos oito primeiros meses do ano passado, o Inpe detectou 9.119 focos. Este ano, também entre janeiro e agosto, o número saltou para alarmantes 17.882.

Em um sobrevôo de apenas cinqüenta minutos próximo à capital Rio Branco, entre a Rodovia Transacreana e a BR-364, vimos cinco ou seis focos de incêndio. Também pudemos observar grandes áreas que já haviam sido devastadas por queimadas recentes.

Também vimos, em vários pontos, toras de madeira empilhadas em clareiras recentemente abertas, prestes a serem retiradas. O acesso às toras se dá por pequenas vias de terra abertas no meio da mata, ligando as clareiras a estradas mais largas que, por sua vez, terminam em rodovias asfaltadas.

A situação é ainda mais preocupante pelo fato de a região sobrevoada estar no entorno de uma capital estadual; uma área, em princípio, mais fácil de ser fiscalizada por contar com boa infra-estrutura rodoviária e de telecomunicações. As fotos tiradas durante o percurso revelam a gravidade da situação, mostrando uma paisagem, na maior parte do tempo, encoberta pela fumaça e com visibilidade comprometida.

De acordo com Sidney Rodrigues, coordenador do Laboratório de Ecologia da Paisagem do WWF-Brasil, o monitoramento das queimadas é de grande importância para a conservação da Amazônia. “Esses dados servem de subsídio para a elaboração de uma série de medidas preventivas, como a criação de brigadas de incêndio em áreas mais críticas, a definição de calendários de queima e ações de fiscalização e controle”.

Fonte: WWF-Brasil 

Copopropaganda

quarta-feira, 12 - setembro - 2007

Excelente e criativa campanha criada pela agência Shunya Beijing, China; trata-se de um copo de papel, que quando montado mostra quem é o verdadeiro “alvo” quando você está destruindo de alguma forma o meio ambiente. (clique para ampliar)

Fonte: Direct Daily

Ursos Polares

terça-feira, 11 - setembro - 2007

Segundo um relatório da US Geological Survey, estima-se que em 2050, 2/3 da população de Ursos Polares irá desaparecer devido às mudanças nas geleiras. Atualmente há cerca de 20.000 a 25.000 ursos polares vivendo no Ártico, incluindo Canada, Alaska, Russia, Noruega e Dinamarca.
Muitos cientistas consideram o relatório ainda muito conservador, pois ainda não há um modelo que consiga estimar o declínio atual do gelo ártico ainda.
“We now have official confirmation that the largest living land predator is going to go extinct in our lifetime” (mau e porcamente: Agora nós temos uma confirmação oficial que o urso polar está caminhando para a extinção), disse Dr Neil Hamilton, diretor do WWF Arctic Programme.
Modelos aprensentados mostram que os ursos polares dependem do gelo ártico para sua sobrevivência, pois é nas plataformas de gelo que encontram sua fonte de alimentação primária. Infelizmente os estudos também mostram que as geleiras estão diminuindo cada vez mais devido aos problemas climáticos.

Há alguns dias, estava conversando com a Paula, do Rastro de Carbono, justamente sobre os impactos do aquecimento global; gostaria de deixar a resposta que ela me deu sobre alguns questionamentos sobre como neutralizar o CO2:

A gente pode neutralizar plantando árvores. (Veja minha postagem sobre neutralização de carbono). A idéia é retirar da atmosfera a maior quantidade de CO2 possível e as plantas fazem isso com maestria. Mas todos os cálculos feitos pra isso usam uma árvore hipotética que deve viver por no mínimo 20 anos… Difícil né? E não dá pra neutralizar tudo, ou não vai ter espaço no mundo pra tanta árvore…
A emissão ideal segundo os especialistas do IPCC é tentarmos voltar para o nível de emissões que tínhamos em 1990. Não sei qual seria a emissão per capita/por país ideal, mas voltar ao nível de 1990 significa cortar em quase 70% tudo que (mundialmente) emitimos hoje. Dureza, mas absolutamente possível com investimentos corretos!

Fonte: WWF-Internacional

Tido como extinto, golfinho do Rio Yangtze reaparece

terça-feira, 04 - setembro - 2007
A imprensa chinesa anunciou que um empresário de Tongling, na China, gravou imagens de um “grande animal branco” no dia 19 de agosto. O animal foi identificado como um baiji pelo professor Wang Ding, especialista do Instituto de Hidrobiologia da Academia de Ciências da China.
Esta é a primeira notificação de avistamento de um baiji desde que expedição científica não localizou nenhum indivíduo, no ano passado.
Com base na complexidade geográfica e hidrológica do rio, e na definição oficial de extinção IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais), a Rede WWF e diversos cientistas concordaram que a espécie estaria “funcionalmente extinta”, mas que ainda era muito cedo para ter sua extinção declarada.
“O aparecimento do baiji provou que nossa preocupação procedia e se apresenta como uma última esperança para a salvação da espécie, com medidas mais fortes, disse o Dr. Zhu Jiang, do WWF-China. “O WWF chama por esforços conjuntos imediatos para garantir um habitat para este maravilhoso animal, uma espécie que indica as condições de saúde do Rio Yangtze.
O WWF está ativamente envolvido na proteção de cetáceos e seus habitats no Yangtze. “Uma estratégia plural envolvendo várias áreas como agricultura, recursos hídricos, transporte, proteção ambiental e saneamento, deveria ser aplicada para reduzir a interferência do ser humano e proteger os cetáceos fluviais”, disse Zhu.
No ano passado, o WWF trabalhou em conjunto com outras áreas para definir um esboço de estratégia de proteção e um plano de ação para aumentar a capacidade de proteção de reservas naturais.
“As estratégias de proteção e o plano de ação serão implementados dentro do programa WWF-HSBC para conservação do baiji e do Yangtze, juntamente com os diversos setores interessados”, concluiu o especialista.
Fonte: WWF-Brasil 

Ações e Propostas em Apiacás/MT

segunda-feira, 03 - setembro - 2007
Com o objetivo de apresentar ao público local os detalhes e os próximos passos das atividades realizadas pelo WWF-Brasil em Apiacás/MT, a organização realizará, a partir das 18h da próxima terça-feira, 4 de setembro, na Câmara dos Vereadores da cidade, uma palestra sobre as ações que ajuda a desenvolver na região. Estarão presentes técnicos e pesquisadores do WWF-Brasil, do Instituto Centro de Vida (ICV) e da Universidade Federal do Mato Grosso que, entre outros assuntos, discorrerão sobre o estudo que analisa a viabilidade econômica da produção ambientalmente correta de óleos finos e biocombustível.
Segundo Marcos Roberto Pinheiro, técnico em conservação do Programa de Áreas Protegidas e Apoio ao Arpa do WWF-Brasil, a iniciativa configura uma oportunidade para esclarecer eventuais dúvidas junto aos moradores e para fortalecer a integração e a sinergia entre as diferentes frentes envolvidas.
O evento é destinado aos moradores de Apiacás que poderão conhecer e opinar sobre a proposta do plano de manejo do Parque Nacional do Juruena (documento que vai orientar as ações na unidade de conservação referentes a sua regularização fundiária, fiscalização, promoção da educação ambiental e turismo); sobre a capacitação dos professores e elaboração de materiais de apoio, como cartilhas e mapas, para serem utilizados na rede pública de ensino; e sobre o projeto de construção da Casa de Meio Ambiente e Cultura de Apiacás, espaço que será dedicado ao registro e à divulgação da cultura local e à capacitação técnica e o fortalecimento das cadeias produtivas de baixo impacto e que utilizam os recursos naturais.
A palestra também contará com a presença do Prof. Dr. Paulo Teixeira, vice-reitor de pesquisa científica da Universidade Federal do Mato Grosso, que discorrerá sobre o estudo que busca viabilizar uma usina para a produção de biocombustível e de óleos finos para indústria cosmética e farmacêutica a partir da semente do cupuaçu, trazendo perspectivas positivas para a promoção do desenvolvimento sustentável na região ao identificar e fomentar uma alternativa econômica de grande abrangência. 
 Fonte: WWF-Brasil

Lars Grael nomeado Embaixador das Águas do WWF-Brasil

sexta-feira, 31 - agosto - 2007

Pra dar uma variada no segmento de posts sobre WWF, vamos à uma notícia que me chamou muito a atenção. Quem não se lembra deste que é, na minha opinião, um dos maiores vencedores deste país, não só nas águas, mas também na vida. Título bem merecido!

O velejador multicampeão Lars Grael foi anunciado oficialmente como Embaixador das Águas do WWF-Brasil, ontem (26/8) durante cerimônia de encerramento do Campeonato Brasileiro de Vela Classe Star, no Iate Clube de Brasília, Grael recebeu o convite durante o Campeonato do VII Distrito Classe Star, realizado em Brasília (DF) no ano passado e também apoiado pelo WWF-Brasil.

O desportista se dispõe a se engajar e participar de atividades em defesa das águas do Brasil, dentro da ótica de campanha conduzida pela ONG, que tem como objetivo alertar a população brasileira a respeito do impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos e a necessidade de proteção das nascentes do Brasil. O WWF-Brasil também irá apoiar as atividades do Instituto Grael, de inclusão social pela vela.

O WWF-Brasil apoiou o campeonato brasileiro como parte de sua campanha. Para a secretária-geral do WWF-Brasil, Denise Hamú, a participação neste tipo de evento é importante, na medida em que a água é o meio onde o esporte é praticado.

“É fundamental que levemos a mensagem da conservação da água doce para este público, que dela depende para o esporte e que também é formador de opinião. Para nós, a participação de Grael na campanha é motivo de orgulho e certeza de que nossa bandeira está em boas mãos”, disse Denise Hamú.

Fonte: WWF-Brasil

 

WWF no Brasil

quinta-feira, 30 - agosto - 2007

Coincidências à parte, neste exato dia, há 11 anos, era criado oficialmente o WWF-Brasil . Tudo bem, eu já sabia, e por isso deixei para falar sobre o WWF no Brasil hoje

Bom, na verdade a história do WWF no Brasil começou deveras antes de 1996, mais exatamente em 1971, quando a rede inciou seu trabalho apoiando os primeiros estudos feitos sobre um desconhecido primata ameaçado de extinção do Rio de Janeiro; trabalho este que futuramente iria se tornar o Programa de Conservação do Mico-Leão-Dourado, um dos mais bem sucedidos projetos do gênero no mundo. Mas foi mais pelas tantas dos anos 80 que a WWF se intensificou no Brasil, em especial com o tão conhecido Projeto Tamar, e, ao optar por trabalhar com parceiros locais, o WWF ajudou a criar e fortalecer uma gama de entidades ambientalistas que hoje ocupam lugar de destaque na área de conservação, como a Fundação Vitória Amazônica.

Até o ano de 1989, diferentes organizações da rede WWF financiavam diretamente projetos desenvolvidos por instituições ou estudantes e pesquisadores brasileiros. Porém, com a proporção que o suporte técnico-financeiro tomou, foi necessário a criação de um escritório de representação; isso aconteceu no ano de 1990 com a contratação do biólogo Dr. Cléber Alho, que ficou responsável pelo mais novo escritório da organização na cidade de Brasília, que todavia era mantida pela WWF-EUA. Em 1993, para dar mais agilidade ao trabalho, foi nomeado o primeiro diretor do escritório, o biólogo Eduardo Martins.

Consolidação

É notável a diversidade e riqueza natural deste país que tanto amo; face isto, percebeu-se que o Brasil precisava contar com uma entidade própria, que pudesse contribuir de forma mais efetiva para o debate e as soluções dos problemas ambientais, e em 1994, a equipe brasileira ganhou sinal verde para viabilizar uma estrutura própria.

Finalmente, no dia 30 de Agosto de 1996, é criado oficialmente o WWF-Brasil, organização brasileira autônoma e sem fins lucrativos de conservação da natureza que passa a integrar a Rede WWF. O Brasil se tornou a 25ª organização da Rede WWF e a primeira da América Latina.

Atualidade

O WWF-Brasil, atualmente, executa projetos espalhados por todo o país, por meio de parceirias com empresas, organizações não-governamentais, órgãos do governo federal, estaduais e municipais, desenvolvendo atividades de pesquisa e diagnóstico; proteção de espécies e de ecossistemas ameaçados; desenvolvimento de modelos alternativos de conservação e uso dos recursos naturais; capacitação e desenvolvimento de entidades parceiras; disseminação de resultados por meio de educação ambiental, políticas ambientas e comunicação; e campanhas de mobilização social.

Ainda, o WWF-Brasil, conta com escritórios em São Paulo, Rio Branco, Manaus, Macapá, Campo Grande e Corumbá.

“Contribuir para que a sociedade brasileira conserve a natureza, harmonizando a atividade humana com a conservação da biodiversidade e com o uso racional dos recursos naturais, para o benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações”.
Missão do WWF-Brasil

Fonte: WWF-Brasil
Links: 
Projeto Tamar
AssociaçãoMico-Leão-Dourado 
Fundação Vitória Amazônica

WWF e o Chi-Chi

quarta-feira, 29 - agosto - 2007

Tá… uma pergunta que não quér calar… por que cargas d’agua tem um panda no logo?

 

A idéia nasceu por causa do Chi-Chi, um panda gigante que habitava o zoológico de Londres no ano de 1961, ano da fundação da WWF; bom, o motivo da escolha é bem simples, Panda é reconhecido por ser um animal muito forte, reconhecido por ser um simbolo de superação entre as línguas existentes, a WWF nasceu (assim como o panda) para ser grande, mas o que na verdade definiu a escolha foram os belos olhos com suas manchas pretas, enfim, tudo isso foi motivo para que os fundadores escolhessem o Chi-Chi … excelente escolha … na verdade, outro motivo da minha escolha pelo WWF foi justamente o panda…adoro pandas…não me perguntem por que!

 

Os primeiros traços vieram do artista britânico Gerald Watterson, em 1961 mesmo. Baseado nisso, Sir Peter Scott, um dos fundadores, desenhou o primeiro logo e disse (sabiamente):

“We wanted an animal that is beautiful, is endangered, and one loved by many people in the world for its appealing qualities. We also wanted an animal that had an impact in black and white to save money on printing costs.”

 

Nós queriamos um animal que fosse bonito, estivesse em perigo e que fosse amado por muitas pessoas no mundo por suas atraentes qualidades. E também queriamos um animal de impacto em preto e branco, pra economizar dinheiro com custos de impressão.

 

mal e porcamente traduzido por: Fernando Drummond

Linha do tempo dos logos:

 

 

Fonte: WWF Internacional

WWF no Mundo

terça-feira, 28 - agosto - 2007

Posto aquela maravilhosa introdução posta na catiguria do WWF, vamos conhecê-lo num âmbito mais global.

Um pouco de História

Como dito no primeiro post, a organização WWF nasceu em meados de 1961, de lá para cá, a WWF se tornou uma das mais respeitadas e conceituadas redes de conservação da natureza.

A Rede, com sede na Suíça, conta com quase 5 milhões de associados distribuídos por 5 continentes … … é composta por organizações e escritórios situados em diversos países que têm como característica a presença tanto local quanto mundial e mantêm um diálogo com todos os envolvidos na questão ambiental, desde os pigmeus Baka na África Central, até instituições internacionais como o Banco Mundial e a Comissão Européia. Atuando em mais de 100 países, a rede desenvolve cerca de 2 mil projetos … … de conservação do meio ambiente, e emprega cerca de 4 mil pessoas ao redor do planeta; desde 1985, a rede WWF já investiu mais de U$1,165 milhões em mais de 11 mil projetos em 130 países … .

Missão

A missão global da WWF (motivo pelo qual me interessei pelo projeto) baseia-se em alguns “simples” passos:

Conter a degradação do meio ambiente e construir um futuro em que o homem viva em harmonia com a natureza através da:
– Conservação da diversidade biológica mundial;
– Garantia da sustentabilidade dos recursos naturais renováveis;
– Promoção da redução da poluição e do desperdício.

Código de Ética

Esse foi retirado do site oficial do projeto, estou com preguiça de colocar a tradução, usem um dicionário :

  1. We will be global, independent, multicultural and non-party political.
  2. We will use the best available scientific information to address issues and critically evaluate all our endeavours.
  3. We will, wherever possible, seek dialogue and avoid confrontation.
  4. We will build concrete conservation solutions through a combination of field-based projects, policy initiatives, capacity building and education.
  5. We will involve local communities and indigenous peoples in the planning and execution of our field programmes, and we will respect their cultural and economic needs.
  6. We will maximize our effectiveness by building partnerships with other organizations, governments, businesses and local communities.
  7. We will run our operations in a responsible and cost-effective manner, and apply donors’ funds according to the highest standards of accountability and transparency.

Bom, ia colocar neste mesmo post mais um pouco da história, mas fica para o próximo (muito grande)

to be continued…

World Wildlife Fund

segunda-feira, 27 - agosto - 2007

Galera, hoje vou estrear uma nova categoria (?!outra!?) no BlogDrops; há alguns dias venho pensando que devo fazer algo de útil para o planeta , então ontem, assistindo televisão, tive a brilhante idéia de trazer a público um projeto, não que este projeto já não seja conhecido, mas infelizmente muita gente apenas ouviu falar, ou se mesmo que sabe as intenções do projeto, não o conhece em detalhes… não que eu também conheça profundamente o WWF, mas me interessei, me identifiquei com as intenções do mesmo; e gostaria de partilhar isso com os poucos leitores do BlogDrops… se você, caro leitor, tiver mais informações ou qualquer coisa sobre o WWF, entre em contato, e ajude-me a salvar o mundo!!! mostrar mais sobre esta tão importante ONG.

Ok, chega de blá blá blá … bom, uma coisa muito legal que aprendi, foi o que realmente significa a sigla WWF, como dito lá em cima World Wildlife Fund, que traduzido significa Fundo Mundial da Natureza, mas isso lá em meados de 1961, nas décadas seguintes o projeto cresceu ao redor do planeta e sua atuação tomou um novo foco e a sigla passou a representar o trabalho de conservação da organização de maneira mais ampla, isto é, WWF ganhou uma nova tradução, que seria World Wide Fund For Nature, em português Fundo Mundial Para a Natureza. Mas aí você se pergunta, por que nunca se ouve a tradução literal da sigla WWF? O que aconteceu foi que a sigla WWF tornou-se tão forte internacionalmente, que a organização optou apenas por usar a sigla, ao invés da tradução literal… menos na América do Norte nem passou por minha cabeça que isso poderia acontecer, onde o antigo nome Fundo Mundial Para a Natureza continua a ser usado.

Enfim, para terminar essa breve introdução, em 30 de Agosto de 1996, foi fundada a WWF-Brasil,organização nacional que integra a rede WWF mundial, uma das maiores organizações de conservação da natureza no mundo.

Bom, por hoje fico aqui, nos próximos posts pretendo contar mais sobra a organização, tanto no Brasil quanto no Mundo, para daí sim começar a trazer notícias e etc.

Termino o post com o emblema da missão da organização:

Contribuir para que a sociedade brasileira conserve a natureza, harmonizando a atividade humana com a conservação da biodiversidade e com o uso racional dos recursos naturais, para o benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações.”

Enquanto você fica se perguntando que cargas d’agua me deu de ter essa brilhante idéia, ou mesmo que fique pensando na morte da bezerra, assista o vídeo e conheça um pouco sobre a ONG e o trabalho dela

WWF-Brasil. Cuidando do ambiente onde o bicho vive. O bicho-homem.